Atentado

28.junho.2009

tUm-tUm

Um compasso acordou-o no meio da noite

tUm-tUm

Revirou o quarto atrás do fio vermelho

tUm-tUm

Queria interromper a iminente explosão

tUm-tUm

Foi quando encontrou uma veia

tUm-tUm

E pôs fim a bomba relógio que habitava seu peito.

Anúncios

ao poeta

24.junho.2009

Vá lá lavrar

A palavra.

Não a há larva lá.

Lá se lava a

Alma numa palavra

e Vualá.


Eis a Questão

22.junho.2009

tenho ouvido muita gente
criando
sem pensar
pensando que cria

tenho visto muita gente
penando
sem pesar
pesando mercadoria

muita gente
correndo
semparar
preparando aposentadoria

muita máquina
surgindo
substituindo
gente por gente de mentira

é lógico
é prático
é tática
de psicotecnocracia
ou alguma outra controlada/controladora
orgia

e eu ainda tenho apetite
miopia
gripe
fobias e patias

(e se eu tiver uma novafobia ou uma novapatia?
terá terapia que cure
ou será considerada loucura e eliminada, posta em quarentena
ou virará atração-aberração dum show de horror
ou premiada c’uma menção honrosa
ou terá download que eu faça para uma nova versão?
terá verbete na próxima edição do Aurélio?)

se houve inversão de valores
ou foram revertidos em fundo de caixa
ou viraram diversão de contravenção
ou somente proselitismo
– isso interessa a quem?

criador,
cadê você com minha dor?
(meus sonhos, sonho eu)

se nem tempo mais temos
em que tempo que vivemos?
pra quem? por quem? como quem?

quem me responde
tem a resposta?
não digo que
sim nem que
não
mas digo que
quem se pergunta
também
tem a questão

criador,
cadê você?


Líquida Ação

22.junho.2009

começando a procurar
ver se serve pra curar
ou se é precário
e não dá pra aproveitar
pruquê se não
preciso aprender
a descartar

“desconsidere isto”
“desconsidere aquilo”
e eu passo a aceitar
o que seria inaceitável
sem procurar saber
se é ou não
descartável

sensação que corrói
expressão que destrói
é até patético
tentar explicar
este temer ser
na contramão
sem privar

solução imediata
que alivia e mata
eu não quero mais
não sou embalagem
em liquidação
pra vender
e acabar


Olodumor

15.junho.2009

quem sabe com sorte

e como consolo

da insônia

a morte só te corte

durante o sono;

e em uníssono

num gem.ido solo

entre o sonho

e o solo,

cê.parta o céu

rumo sol. 

ao som dum sopro

de Olodum.

 

Só, sob o monte

da morte.

ninguém escapa a sorte.


15.junho.2009

Deixa o luar aproxi.mar

Pra refletir

O que mais há

Nesse silencio imenso

que aqui me imerso

E ao inverso me reviro

Pra ver se viro o verso.


15.junho.2009

Desceu a rua jogando fora brincos, aliança e sobrenome em uma alegria eufórica.

Parada, em frente a casa do amante, gritou:

– Agora eu posso ser sua! – batendo forte na porta.

E lá espera ate hoje.